Nosso primeiro lançamento de 2022 CHEGOU!

 

Autor: Arce Correia

 

Livro: Alinhavo deLírios e AçoCenas

 

Gênero: Poesia - Contos - Música

 

Alinhavo deLírios e AçoCenas, do autor Arce Correia, chega com seus poemas e contos que trazem a coragem de se livrar daquilo tudo que sua mente produz. 

 

“Tic tac / E foi-se o tempo. Foice”. Arce Correia cria e exorciza textos em que foi “testemunha ocular e corporal, jurado, juiz e veredicto”. Capaz de criar poesia mesmo admitindo “não ser capaz de acalentar um sono em paz em um país onde mães e pais cobrem os filhos com o auxílio de pás”.

 

Livro em pré-venda a partir de 24 de Junho.

Comprando na pré-venda você leva 13% de desconto + Autógrafo e Dedicatória do Autor + Pode retirar lá na bienal do livro e de quebra já tira aquela foto com o autor.

ENTREGAS NA BIENAL DO LIVRO DIAS 09 E 10 DE JULHO, OU PELO CORREIO A PARTIR DE 11 DE JULHO.

Alinhavo deLírios e AçoCenas

R$ 45,00 Preço normal
R$ 39,15Preço promocional
  • Quem alinhava lírios e aço cenas tem a capacidade de viver e partilhar arte. Arce Correia tem dentro de si arte de palavras, cuja alma vai lhe conduzir pela sala de ensaios, palco, salão; por onde for, o leitor irá querer ser seu partner nesse passeio lúdico por poemas e contos afetos às existências. Para Arce, ator não dorme; atormentado, atormenta... ator mente verdades. E quantas verdades estão em seus passeios poéticos: pujantes de um coração que não é passível de doma, montaria ou freio; é potro sem arreio, que bebe da fonte anseio; engole falo, ventre, seio. Num universo poético que poetiza vacas, Abayomis, negros, mães, velhas sem hora, as palavras buscam o encontro das histórias deste poeta que diz não conhecer o caminho, mas habita o caminhar. Na brincadeira dos encontros das letras ele pensatempo, pois seu pensamento é o seu passatempo. No seu jogo de pensar, pode até dizer que é torto, torpe e entorpecente, num bacanal de letras e orgia de palavras, mas para vestir esse livro que o poeta, ator e bailarino – filho da terra e do mato – renasce em qualquer brisa, basta o que ele diz: só me abre quem sabe ler mais que só figura. Seus poemas e contos trazem originalidade e coragem de se livrar daquilo tudo que sua mente produz. E, nessa toada, “Tic tac / E foi-se o tempo. Foice”. Cria e exorciza textos em que foi “testemunha ocular e corporal, jurado, juiz e veredicto”. Capaz de criar poesia mesmo admitindo “não ser capaz de acalentar um sono em paz em um país onde mães e pais cobrem os filhos com o auxílio de pás”. Ao ler Arce Correia, “sobra a falta que te resta. E o resto é resto. Não serve, nem faz falta.”

     

    Henrique Alberto de Medeiros Filho

    Escritor e publicitário, presidente da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras